Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-hortas

24/03/2014

Dia Mundial da Água: um chamamento à sociedade do Semiárido brasileiro

publicado por

“No Semiárido não falta água. Falta Justiça!” (Dom José Rodrigues)

Por Ascom Irpaa

dia-mundial-da-agua

Ao mesmo tempo em que o Comitê de Bacia Hidrográfica do São Francisco – CBHSF vem trabalhando na difícil tarefa da revitalização do Rio São Francisco e de seus afluentes por meio dos Projetos Hidroambientais, a derrubada das Caatingas e a desertificação estão em pleno andamento.

Segundo os especialistas, a Caatinga em pé consegue se adaptar às mudanças climáticas, mas enquanto isso empresas como a Agrovale, que já derrubou 21 mil ha para o cultivo da cana, vem ampliando sua área com mais 2 mil ha na região do Salitre, em Juazeiro.

No Dia Mundial da Água, vale então uma provocação à sociedade e em especial ao CBHSF que é responsável pela gestão dos recursos pagos pelos múltiplos usos da água do Velho Chico: a Agrovale pagou somente R$ 9.073,38 no ano de 2012 pelos 13.259.072 m³ da água que tirou do Rio São Francisco (Fonte: site do CBHSF). Numa matemática lógica, isto quer dizer que para irrigar 1 ha de cana-de-açúcar, a Agrovale pagou por ano R$ 0,43 (quarenta e três centavos), sendo que ela produz até 120 toneladas de cana por hectare. Para visualizar esses números, pode-se fazer uma outra conta: a quantidade de água retirada do São Francisco em um ano pela empresa é equivalente a água que pode ser armazenada em 1 milhão de cisternas de 14 mil litros.

Se o CBHSF se coloca em defesa da água, da vida do rio e dos povos ribeirinhos, deve corrigir esta distorção na tarifa da cobrança da água das empresas que fazem os diversos usos para a geração de lucros e levantar sua voz sobre outros projetos desenvolvimentistas, a exemplo da grande irrigação e mineração. Quanto à população, é preciso questionar: a que e a quem serve toda essa exploração ambiental, social e cultura para produção de energias?

Em contrapartida, ratificamos a importância da Política Nacional de Convivência com o Semiárido, considerando a viabilidade de maiores investimentos na captação, armazenamento e distribuição da água de chuva, inclusive com base no Atlas Nordeste e com a garantia de medidas eficazes de uso racional de todo potencial hídrico do Semiárido brasileiro.

 

Textos para consultar:

http://cbhsaofrancisco.org.br/download/contratos-de-gestao/usuarios-e-valores/2012/Usuarios%20cobrados%20SF%202012.pdf
http://www.tribunadabahia.com.br/2013/09/23/confira-entrevista-sobre-etanol-com-diretor-da-agrovale-carlos-farias

http://www.irpaa.org/noticias/433/mst-ocupa-area-da-empresa-agrovale-no-projeto-salitre-em-juazeiro-ba