Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-cisternas

30/04/2013

Em Exu, as chuvas ocorridas em 2013 já ultrapassam índices registrados durante todo o ano de 2012

publicado por

Vilmar Lermen no manejo da agrofloresta na Serra dos Paus Dóias Exu-PE

Vilmar Lermen no manejo da agrofloresta na Serra dos Paus Dóias Exu-PE     Foto: Elka Macedo

Nos últimos dias as chuvas têm agraciado o Sertão do Araripe pernambucano. Para se ter uma ideia só no município de Exu foram registrados 155 milímetros neste mês de abril, índice nove vezes superior ao registrado em abril do ano passado. Com estas chuvas já são cerca de 527 milímetros acumulados em algumas comunidades do município, segundo dados do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS).

Na Serra dos Paus Dóias, comunidade rural de Exu, as chuvas ocorridas nestes primeiros meses do ano ultrapassam os 514mm  registrados durante todo o ano de 2012. “Ainda estamos abaixo da nossa média que é em torno de 1200mm ao ano, mas, estamos recuperando o abastecimento de um modo geral e também o animo, que andava quase desaparecido no semblante dos/as sertanejos/as.”, destaca o agricultor agroflorestal e Coordenador do CMDRS de Exu, Vilmar Lermen.

Embora tenham caído mais chuvas em 2013, este é o terceiro ano de estiagem prolongada no semiárido brasileiro. A irregularidade das chuvas no período tem impactado fortemente na economia local que se baseia especialmente na agropecuária e na agricultura de sequeiro.  No entanto, as famílias agricultoras que possuem tecnologias estruturantes de convivência com o semiárido como as cisternas de placas, açudes e poços tem conseguido enfrentar a estiagem e manter seus animais e cultivos.

É o caso da família do agricultor Vilmar Lermen, que produz hortaliças, legumes, e faz o beneficiamento de frutas com a água armazenada em suas cisternas. “Será mais um ano de crise, com poucas colheitas e a economia com pouca circulação. Mas, inicia-se um novo ciclo, com esperança de melhoria para o próximo período”, reflete o agricultor.