Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-frutas

16/01/2013

Implantação de Barragens Subterrâneas beneficiam famílias de Parnamirim

publicado por

Barragem subterrânea em Parnamirim-PE foto:Ariagildo Vieira

Famílias agricultoras das comunidades de Riacho Queimada I, Riacho Queimada II e Dourado no município de Parnamirim-PE, podem contar agora com mais uma tecnologia de convivência com o Semiárido.  Construídas recentemente, as 10 barragens subterrâneas estão prontas para armazenarem água da chuva e garantirem a produção agrícola dessas famílias nos períodos de estiagem.

Para a agricultora Maria do Socorro, uma das beneficiadas com a barragem subterrânea, essa tecnologia vai somar na hora da produção. “Com essa tecnologia a gente vai aumentar nossa produção e com isso gerar renda também. Graças a essas tecnologias que nós não estamos vivenciando uma seca como as que já vivi, pois temos as cisternas e também abastecimento de água com carro-pipa, com isso diminuiu bastante o sofrimento. A seca está afetando mais os animais”, destaca.

A tecnologia inovadora no município foi construída pela Ong Caatinga e Centro Sabiá com patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental. A iniciativa faz parte das ações do Projeto Riachos do Velho Chico que tem como meta revitalizar os riachos Queimada e Frazão, localizados respectivamente, nos municípios de Parnamirim e Triunfo em Pernambuco.

“As famílias agricultoras dessas comunidades tiveram a oportunidade de serem beneficiarias com uma das tecnologias mais eficientes na captação e armazenamento de água para as condições de semiaridez. Afinal, está é uma tecnologia que dá condições para a família produzir alimentos para manutenção da família e dos animais em épocas em que a água é muito escassa”, enfatiza o técnico responsável pelo Projeto, Ariagildo Vieira.

Barragem Subterrânea

Adotada pelo Caatinga há mais de 23 anos, a barragem subterrânea é uma tecnologia de armazenamento de água construída em áreas de córregos de riachos e rios. A escavação é feita de forma transversal com profundidade mínima de dois metros e máxima de seis. A tecnologia permite o armazenamento da água no subsolo, evitando assim o processo de evapotranspiração.