Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-cabras

13/03/2012

Plano Brasil sem Miséria inicia atividades no Araripe

publicado por

Entrega de sementes é a primeira ação realizada pelo plano na região

 

Seu Manoel recebendo as sementes do Plano Brasil sem Miséria - Foto: Elka Macedo

“Esse Plano vai ajudar muito, pois tenho 59 anos de idade e não sou aposentado. Aqui a gente tem dificuldade com falta de água e emprego. Esse plano é uma ajuda que o governo está dando à gente, e agora com essas sementes, quando chover, nós vamos plantar e fazer umas hortas pra comer umas verdurinhas com a família”, afirma satisfeito, o agricultor Manoel Gomes da Silva, que mora na Fazenda Pradicó, município de Ouricuri-PE.

Como Seu Manoel, outras 1160 famílias estão sendo beneficiadas com o Plano Brasil Sem Miséria na região do Araripe pernambucano. As atividades começaram há menos de um mês e já animam agricultores e agricultoras que estão recebendo pacotes com 10kg de sementes de milho, 5kg de feijão, 01 kit horta com 08 tipos de sementes de hortaliças, mais cartilhas explicativas.

O Plano Brasil sem Miséria está sendo desenvolvido na região pelas ONG´s Caatinga e Chapada, ganhadores dos dois lotes previstos para o Araripe, na chamada pública de ATER do Brasil Sem Miséria. Durante todo o ano as famílias receberão assessoria técnica e terão a oportunidade de junto com o/a técnico/a construir um plano de estruturação da sua unidade produtiva. Para ajudar na implementação desse plano, o Governo Federal vai fornecer a cada família um fomento no valor de R$ 2.400,00 dividido em três parcelas.

Para o Coordenador do Plano no Caatinga, Giovanne Xenofonte, essa é a oportunidade de chegar a famílias que normalmente não recebem nenhum tipo de assessoria técnica e extensão rural. “Estamos tendo a oportunidade, com esse programa, de tirar da situação de extrema pobreza famílias agricultoras que vivem com uma renda mensal em torno de R$ 70,00 por pessoa. Buscaremos contribuir na melhoria dos seus sistemas produtivos, e no acesso dessas famílias a outras politicas voltadas para o setor”, declara.