Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-frutas

Mulheres em ação

21/06/2017

“Um mundo com um olhar feminista é um mundo mais igualitário”

publicado por

por Assessoria de Comunicação do Caatinga

Neste mês de junho, a equipe do Caatinga participou de uma formação sobre divisão justa do trabalho. Vera Guedes, educadora do Centro Nordestino de Medicina Popular e integrante da coordenação da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), facilitou o momento de reflexão. Aproveitamos a oportunidade para conversar com ela. Na entrevista, Vera Guedes reflete sobre como é possível construir relações mais igualitárias, a partir da divisão justa do trabalho, nas relações familiares e de trabalho, ela fala também sobre o contexto político que o Brasil vive atualmente.

Caatinga – O que seria um mundo com um olhar feminista?

Vera Guedes – Eu acredito que um mundo feminista não é é um mundo de privilégios para as mulheres, é um mundo de justiça. E nesse mundo de justiça quando as coisas são divididas igualmente claro que todo mundo fica feliz. Você imagina se uma mulher pudesse dividir suas tarefas mais justamente como seu companheiro ou sua companheira, ela não teria mais tempo para se dedicar a essa relação? Ela não seria uma pessoa mais feliz? Ou se fosse o contrário, se o homem dividisse mais  as tarefas com a sua companheira – eu estou colocando a tarefa doméstica porque é uma coisa que marca muito a desigualdade – também ele teria mais tempo para ficar com sua companheira. Então eu acredito que um mundo com um olhar feminista é um mundo mais igualitário.

Caatinga – Como as organizações podem incorporar a questão da divisão justa do trabalho para levar adiante na sua proposta de ação?

Vera Guedes – Uma das coisas que pode ajudar no pautar a divisão justa do trabalho é essa tentativa que as organizações têm feito, que é fazer um planejamento coletivo da responsabilidades. Não estou dizendo que tarefa diferença não possa ser uma divisão justa, não é que eu tenho que fazer a mesma tarefa que a outra pessoa, mas eu tenho que ter a mesma hora de trabalho e a mesma hora de lazer, igualmente. E com essa hora eu posso fazer o que eu queira, eu possa decidir. E para mim, pensar a divisão justa do trabalho é também as mulheres pensarem os projetos, é também escrever o projeto, mas é também executá-lo na ponta. Sempre fico observando quando a gente está em encontros, em oficinas e seminários e montam-se grupos tem a segmentação das atividades, e vemos que a grande maioria das mulheres vai produzir os cartazes. Esse é um exemplo, que as pessoas acham que é  iminentemente da mulher fazer os cartaz e não é. Pensar a  divisão justa do trabalho é também pensar as responsabilidades. E se a gente pega o campo das organizações e dos movimentos sociais isso também ainda está para construir.

Caatinga – Os movimentos de mulheres sempre estiveram na construção da luta pelos processos democráticos. Agora temos vivido um momento mais difícil no Brasil, como você enxerga esse momento?

Vera Guedes – Um momento difícil. Momento que a cada dia a gente tem que repensar nossa forma de luta e  se reestruturar para enfrentar. Eu particularmente, que estou no movimento há muito tempo, nunca imaginei viver um movimento tão conturbado quanto esse. De perda de direitos, e isso é difícil porque é um fator que desmobiliza. É um momento que a maioria da população não acredita na justiça, então você não faz a luta pela justiça porque você não acredita nela. Então é um momento de grandes enfrentamentos. O movimento de mulheres e o movimento feminista tem feito grandes enfrentamentos. Mas a gente reconhece que mesmo antes do golpe a gente já estava num momento difícil para os movimentos sociais, pela própria composição do Congresso. Mas a gente tinha uma gestora que olhava mais para a maioria da população, estava mais aberta para o diálogo com os movimentos. O que com o golpe caiu por terra. Com esse governo que está aí não é possível negociar.  Existe uma retração de recursos e com isso é mais difícil mobilizar as pessoas, o centro do poder está longe da maioria das capitais. Tudo isso dificulta muito, mas eu acredito que a estratégia é resistir e se juntar com outros movimentos, fazer frentes de luta e ir para rua. Porque só assim que a gente pode reverter esse quadro. Não tem outro jeito, não dá para a gente ficar dentro de casa ou dentro do nosso escritório sem pensar tem tudo que tem a ver com o contexto.

Foto: charlesaraujo.com.br


18/05/2017

Mulheres Doulas realiza formações no sertão do Araripe (PE)

publicado por

                                                                 Por  Assessoria de Comunicação Centro Nordestino de Medicina Popular – CNMP

Três formações do projeto “Mulheres Doulas Articulando Vidas” acontecerão nestes dias nos municípios de Trindade e Ouricuri, sertão do Araripe.

Em Trindade, durante hoje e amanhã, serão realizadas duas formações: em Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, e de Doulas, no salão Paroquial da cidade. Em Ouricuri, na sede do CEREST, acontecerá durante quinta e sexta-feira o segundo módulo da formação em “Assistência humanizada ao parto e pós parto”, ministrada pela enfermeira obstetra Edilazy Mariz. Do curso participarão profissionais da saúde do município. As formações são uma das estratégias do projeto Mulheres Doulas Articulando Vidas, que o Centro Nordestino de Medicina Popular (CNMP) desenvolve com apoio financeiro da União Europeia. Outras atividades desenvolvidas são ações culturais públicas, ações de incidência como audiências públicas sobre as temáticas do projeto e visitas às maternidades. Desta forma, o CNMP se propõe contribuir para a redução da morbidade e mortalidade materna em seis municípios do sertão de Pernambuco e três da Região Metropolitana do Rio Grande do Norte.


28/04/2017

Ouricuri adere a Greve Geral

publicado por

Na manhã, desta sexta feira, as principais ruas de Ouricuri, no sertão do Araripe Pernambucano, foram tomadas por centenas de manifestantes, que aderiram a agenda de luta nacional, Greve Geral, em todo o Brasil, contra as reformas da previdência e reforma Trabalhista.

Publicar (4)

O Sindicato dos Servidores públicos de Ouricuri (SINDSEP), Sindicato de Trabalhadores Rurais de Ouricuri, Federação dos Trabalhadores de Pernambuco (FETAPE), junto com Fórum de Mulheres do Araripe, Grupo de Mulheres Jurema,Sindicato dos Servidores da Saúde (SINDSAÚDE), Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde e Previdência ( SIDSPREV), Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (SINTEP), Movimento Sem Terra (MST),  Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), e organizações de Base e de Apoio a agricultura familiar, além de Organizações dos municípios de Santa Cruz e Trindade realizaram, neste dia 28 de Abril, um ato de rua, repudiando as Reformas da Previdência e trabalhista, que visam tirar direitos de trabalhadores/as.

ótimas (4)

O ato teve início na Praça, Padre Francisco Pedro da Silva, Praça da prefeitura, e seguiu pela feira livre de Ouricuri, até o semáforo central da cidade. O trânsito parou durante 20 minutos,  várias pessoas fizeram falas, repudiando as reformas, que prejudicará trabalhadores/as, atingindo mais fortemente, os que possuem menores condições financeiras, mulheres, jovens, comunidades tradicionais e agricultores/as familiares serão bastante afetados/as. Os manifestantes seguiram em caminhada até agência da Previdência social, do município, onde o ato foi encerrado.

Para Analberga Lino, do SINDSEP, esse foi um movimento muito importante para toda a classe trabalhadora.            “ Precisamos cada vez mais, ir as ruas dizer não a esse desmonte dos direitos, que atingirá fortemente a classe trabalhadora” Afirmou a professora.

A avaliação por parte da organização do evento, é muito positiva, estima -se que participaram mais de 3.000 pessoas, o que mostra forte adesão da população, ao movimento,  envolvendo diversos seguimentos: Saúde, educação, agricultura familiar, sindicalistas, movimentos sociais, movimentos de mulheres, jovens urbanos e rurais.

Ainda nesta manhã, no sertão do Araripe, aconteceram atos de ruas, nos municípios de Bodocó, com estimativa de participação de 2.000 pessoas, e nos municípios de Exu e Araripina, a tarde será realizado, em Santa Filomena . Além de vários outros municípios do Brasil.

 


6/04/2017

Fórum de mulheres de Pernambuco se reúne no Araripe

publicado por

Com muita alegria e disposição, mulheres representando todas as regiões de Pernambuco, se reúnem no Território do Araripe nestes dias 06 , 07 e 08  de abril. O encontro do Fórum de mulheres de Pernambuco, tem como objetivo fortalecer a luta das mulheres em todo o estado, através das trocas de experiência de lutas, avaliação das ações, e planejamento de atividades e ações de incidência do Fórum para os próximos meses.

DSC_0008

O encontro começou com bastante alegria e empolgação por parte das participantes que trouxeram em suas falas, as principais pautas de luta, enfrentadas nos territórios de atuação.

“O sertão do Araripe é uma região muito extensa, temos mulheres que atuam em 11 cidades da região. É uma região em que ainda precisamos muito avançar na mobilização das mulheres, todavia temos muitas companheiras de muita luta e garra. Conta Tica de Nere, do Fórum de mulheres do Araraipe.

O encontro acontece no auditório do Caatinga, e segue até o dia 08, as mulheres trazem bastante resistência e força para continuar a luta, segundo as avaliações, no cenário nacional, os desafios aumentam a cada. E existe uma necessidade imensa de maior união, e fortalecimento coletivo.


9/03/2017

Mulheres fecham BR em Ouricuri

publicado por

Na manhã deste dia 08 de Marco, dia internacional da mulher, diversas manifestações aconteceram em todo o País. No sertão do Araripe Pernambucano, não foi diferente.

DSC_0039

Mulheres, jovens e homens que apóiam a luta se reuniram em frente o clube AABB de Ouricuri, vindos dos 10 municípios do Araripe, com muita animação, o grupo decidiu fechar a BR 316, como protesto contra a reforma da previdência anunciada pelo governo federal, a qual em breve será votada na câmara dos deputados. Foram em torno de duas horas de fechamento de BR com falas de mulheres de diversos seguimentos, segundo a policia Rodoviária federal o manifesto contou com a participação de quase mil pessoas.

DSC_0042

Um evento pacifico e colaborativo, os motoristas  esperaram pacientemente o manifesto terminar, as mulheres afirmavam que estavam ali em luta também pelos caminhoneiros. “Estamos aqui hoje, neste manifesto, por todas nós, e por vocês motoristas, pelos policiais que também sofrem com perdas de direitos” Disse Cláudia Xenofonte, do Fórum de mulheres do Araripe.

“As pessoas presentes gritavam palavras de ordem, com destaque para “Fora Temer”, “ “Mulheres na rua. Temer a culpa é sua” “Lugar de mulher é onde ela quiser” entre tantas outras. As mulheres afirmavam freqüentemente que 08 de Março não é dia de comemoração, mas de muita luta. “ Não viemos aqui comemorar, estamos em luta, principalmente contra a reforma da previdência que irá prejudicar toda a classe trabalhadora desse País, principalmente nós mulheres” Afirmou Vera Guedes do Fórum de mulheres. O Fórum de mulheres do Araripe e a Frente Brasil Popular, organizadores do evento avaliam como bastante positiva a adesão das pessoas e em breve estarão realizando outros atos no Araripe.


Próxima Página »