Email Caatinga via RSS Caatinga no Twitter Caatinga no Facebook

caatinga-ong-hortas

Clipping

26/01/2018

Forró do poeirão fará tributo a Luiz Gonzaga

publicado por

No próximo sábado dia 27 de janeiro, acontece em Ouricuri mais um forró do poeirão no restaurante Chico Guilherme, organizado pelo cantor e compositor Tacyo Carvalho. O forró do poeirão já está na quarta edição e nasceu da necessidade de fortalecer a cultura nordestina, que se manifesta através da música, da poesia e da dança.

 

Para Tacyo Carvalho, o forró do poeirão é um momento de encontro dos artistas e oportunidade de pessoas da região e de outras regiões, que estão em Ouricuri em função da tradicional festa de Janeiro, desfrutar da boa música tocada e cantada por grandes artistas do Araripe  “ O poeirão nasceu para proporcionar o encontro de artistas e oferecer ao público, uma tarde de lazer, oportunidade de desfrutar de boa música, na tarde de sábado durante as festas de Janeiro, e graças a Deus a cada ano vem crescendo”. Conta Tacyo

 

Todos os anos o forró do poeirão homenageia um artista de referência para a música popular nordestina, e na edição de 2018, o homenageado será o rei do Baião, o Pernambucano do século, Luiz Gonzaga. O exuense que levou a cultura nordestina para o mundo, através das canções ritmadas pelo baião, admirado e seguido por muitos artistas brasileiros contribuiu na carreira de muitos desses, inclusive na carreira de Tacyo Carvalho, que durante muito tempo morou no sitio dos Gonzaga no Rio de Janeiro, onde teve a oportunidade de aprender muito com Gonzaga e família, e ganhou um apelido do Rei, pelo qual até hoje é conhecido no meio artístico, o garotão de Ouricuri.

O forró do poeirão esse ano contará com a participação de vários artistas locais como Joquinha Gonzaga, Epitácio Pessoa, Vital Barbosa, Baião Mais Eu, Flávio Leandro, Jurandir da feira, Leonardo do Acordeom, Leninho de Bodocó, Serginho Gomes, Cosmo do Acordeom, Eliane Lopes, Oclécio Carvalho, Reinivaldo Pinheiro, Guiliard, Erasmo Rumano, Genivaldo Silva, Nuria Malena, Djesus Sanfoneiro e Eralson Rumao.

O momento é de grande expectativa na cidade e de movimentação dos admiradores já procuram camisetas, que credenciam a entrada no espaço da festa e estão à venda no Mercantil Líder, próximo ao centro administrativo municipal e no Restaurante Chico Guilherme.


27/11/2017

Aconteceu em Ouricuri o III Circuito Estudantil de Poesias

publicado por

O Circuito estudantil de poesias é um projeto idealizado pelo Professor e poeta Juarez Nunes, que junto com poetas e poetisas ouricurienses e de outros municípios do Araripe, se propõe a levar a poesia, através da literatura de cordel e músicas regionais, com o objetivo de proporcionar o acesso à cultura local, a estudantes de escolas públicas.

 

O circuito acontece anualmente e está em sua terceira edição, de forma voluntária os artistas colocam seus dons a favor do fortalecimento e propagação da cultura local, esse ano o circuito conta com o apoio da ONG Caatinga e o SESC Ler de Bodocó.

Essa 3ª edição do circuito envolveu 10 escolas da cidade e de povoados (Jacaré, Jatobá, Lopes e Escolas Rural Ouricuri), com uma média de participação de pessoas 4.000 pessoas entre crianças, adolescentes, jovens e adultos da comunidade.

Outra forma de valorização dos artistas locais é através de homenagens em vida, todo ano o circuito presta homenagem a um artista da região, esse ano foi a vez do cantor e compositor ouricuriense Tacyo Carvalho, em função dessa homenagem o circuito foi aberto no dia 10 de Novembro no povoado do Jacaré, local de origem do artista homenageado, regado com muitos depoimentos de amigos, fãs e familiares os poetas e a comunidade do Jacaré, que se envolveu em toda a preparação arrancaram lágrimas do garotão de Ouricuri ( Apelido que o mesmo ganhou de Luiz Gonzaga, ainda na juventude).

 

O encerramento do circuito aconteceu no ultimo dia 23, na praça Frei Damião com muita poesia e forró com Vital Barbosa e Elmo Oliveira. Para o idealizador do evento é muito gratificante a participação da juventude. “ A gente se sente feliz em ver a juventude se envolvendo, durante esse circuito vários jovens despertaram para a poesia, recitaram e escreveram versos, isso é o que motiva a gente a continuar com esse trabalho” Afirma Juarez Nunes.

A perspectiva é que a cada ano, com ou sem apoio do poder público, o circuito cresça e chegue a mais pessoas.


27/11/2017

O desafio da igualdade no Brasil e na América Latina

publicado por

Neste dia 27/11 será lançada a publicação Faces da Desigualdade no Brasil – um olhar sobre os que ficam para trás, durante o Colóquio Internacional: O desafio da igualdade no Brasil e na América Latina.
Trata-se de estudo sobre o que ocorreu com os mais pobres no Brasil no período de 2002 – 2015 sob a perspectiva do acesso a direitos, serviços públicos e bens de consumo. Os resultados são impressionantes e vão surpreender!
Seguem os links:
http://flacso.org.br/
http://www.clacso.org.ar/seminario_agenda_igualdad/

Faces_da_desigualdade_no_brasil


22/11/2017

ANA divulga Carta Convocatória do IV ENA

publicado por

A Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) lança a Carta Convocatória do IV ENA – encontro que será realizado de 31 de maio a 3 de junho de 2018, em Belo Horizonte, Minas Gerais. O documento é um dos instrumentos de animação e organização dos processos de mobilização rumo a esta quarta edição do Encontro Nacional de Agroecologia (ENA). Apresenta os sentidos políticos, os objetivos e  as orientações estratégicas do IV ENA, traz sugestões para o processo de mobilização nos territórios, estados e regiões e elenca os temas que serão debatidos.

A Carta Convocatória destaca também que realizar o IV ENA no contexto de profunda crise que se vive no Brasil é um ato de resistência e de luta. para fazer acontecer esse encontro e todos os momentos preparatórios é importante que todos que fazem a ANA, organizações, redes e movimentos sociais, adotem uma perspectiva colaborativa; que em cada estado tenha uma pessoa de referência para conectar-se com as articulações regionais e comissão organizadora nacional.

O estímulo à produção e doação de comida de verdade, assim como de remédios caseiros para a partilha com os(as) participantes do ENA será tão importante quanto a venda dos produtos e interação com a sociedade na feira dos Sabores e Saberes. É muito importante também que as redes e articulações estaduais mobilizem recursos e
apoios para garantir o deslocamento das suas delegações até Belo Horizonte.

A expectativa é que o ENA reúna duas mil pessoas de todos os estados do Brasil, sendo 70% de agricultores(as) familiares, camponeses(as), povos indígenas, comunidades quilombolas, pescadores(as), outros povos e comunidades tradicionais, assentados(as) da reforma agrária e coletivos da agricultura urbana; 50% de mulheres e 30% de jovens diretamente envolvidas na construção da agroecologia em contraposição ao projeto dominante imposto por grupos do capital financeiro, industrial e agrário.

 Todas essas pessoas participarão de uma “constelação de atividades” em vários espaços que incluem feira de sabores e saberes, atividades culturais, mostra de cinema e debates públicos com momentos internos de aprofundamento de temas mobilizadores, em diálogo com organizações parceiras, na perspectiva de fortalecimento da luta por um sistema agroalimentar baseado na agroecologia e soberania alimentar.

Na região metropolitana de Belo Horizonte, há experiências pioneiras de agricultura urbana que dialogam com o direito à cidade. Há, ainda, iniciativas inovadoras de movimentos e coletivos que propõem a ocupação dos espaços públicos e o envolvimento das juventudes em ações culturais e de defesa de direitos. Essas experiências interagem com o lema do IV ENA: “Agroecologia e Democracia Unindo Campo e Cidade”.

Compartilhe a Carta Convocatória do IV ENA e vamos, juntos/as, fazer um lindo encontro! Rumo ao IV ENA!


22/11/2017

A morte do Velho Chico ameaça a Convivência com o Semiárido

publicado por

A Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) soma-se às muitas vozes das lideranças,
comunidades ribeirinhas, povos tradicionais, movimentos sociais, comitês de bacias,
pastorais sociais e especialistas para denunciar a morte do Rio São Francisco e exigir do
Estado brasileiro ações imediatas para reverter tal quadro de penúria, abandono,
exploração, descaso e privatização de suas águas.
O rio totalmente brasileiro sustenta milhares de ribeirinhos nos 160 municípios que banha,
ao longo dos cinco Estados que percorre: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e
Sergipe. O rio é fonte de vida e renda para quem vive em seu entorno e garante vida
digna para muita gente que vive no Semiárido. Passa, no entanto, por um dos piores
momentos de sua existência.
Ao analisar todos os números de vazão do rio desde 1931, constata-se que, atualmente, o
Velho Chico apresenta seus piores índices: menor quantidade de água no seu leito;
menor quantidade de água no conjunto dos reservatórios (em torno de 5% do volume útil);
menores vazões praticadas, com destaque para Sobradinho, que foi construída para
garantir uma vazão segura de 2.100 m³/s e hoje não garante sequer 590 m³/s.
Na foz, a vazão média que antes era de 2.943 m³/s, não ultrapassa os 554 m³/s. Como
consequência, o mar avança “rio adentro” por mais de 50Km e já causa um colapso no
abastecimento de água potável para as populações rural e urbana e aumento dos casos
de hipertensão dos moradores por conta da alta taxa de salinidade da água.
Esta situação não é resultado apenas dos seis anos prolongados de estiagem que passa
a região, mas, sobretudo, do desmatamento do Cerrado e dos usos ligados à irrigação,
mineração e transposição de águas.
Quando se amplia o olhar para a Bacia do São Francisco, a situação parece ainda mais
grave. O rio e seus afluentes ocupam uma área de 641.000Km², ou seja, 7,5% do
território brasileiro. Neste percurso que abrange o Distrito Federal e os Estados de Goiás,
Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas, o manancial contava com mais de
150 afluentes ou rios tributários. Muitos destes não existem mais ou estão em vias de
extinção. Sua diversidade biológica é formada em grande parte pelo Cerrado e pela
Caatinga, e nestes espaços vivem mais de 16,5 milhões de pessoas, entre povos
originários, povos negros e europeus, espalhados pelos campos e cidades.
A exploração degradante da Bacia teve início com a chegada dos colonizadores por volta
de 1.500 e se prolonga e se mantém até os nossos dias, com a mineração, os vários
projetos de barragens, derrubada da Caatinga e do Cerrado. Com essas construções,
todo ciclo biológico foi alterado, com duas finalidades principais: gerar energia e
segurança hídrica para grandes perímetros irrigados. Instala-se na Bacia o Projeto
Desenvolvimentista lastreado pelas grandes obras de infraestrutura.
Endereço: Rua Monte Alverne, 287 – Hipódromo – Reci 2 fe / PE. CEP: 52.041-610
Tel: (81) 2121 7666 – www.asabrasil.org.br – asa@asabrasil.org.br
Articulação Semiárido Brasileiro
Em 2012, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba
(CODEVASF) encomendou ao setor de engenharia do Exército Norte-Americano um
estudo sobre a navegabilidade do rio. Um dos pontos do estudo era descobrir se o forte
assoreamento, implicando grande quantidade de dejetos no rio, era resultado do
desmoronamento das margens ou do assoreamento dos afluentes. A conclusão,
divulgada apenas parcialmente neste final de 2017, é devastadora: pelo assoreamento
são despejados no curso do rio, a cada ano, nada menos que 23 milhões de toneladas de
sedimentos, sendo a maior parte causada pelo assoreamento dos afluentes resultante da
ampliação dos perímetros irrigados. O que vem ocorrendo com o São Francisco nada
mais é do que a consequência de um modelo de desenvolvimento baseado na
depredação acelerada das condições básicas das diversas formas de vidas, em nome do
que chamam de progresso.
Os mais de 500 anos de exploração do rio, em especial o barramento de suas águas,
provocaram o assassinato e expulsão de povos originários dos seus territórios,
escravização de povos negros, alagamento de grandes áreas e inundação de cidades
ribeirinhas, devastação das matas, águas demandadas e poluídas. O Cerrado está sendo
destruído! Em seu lugar, implanta-se o agronegócio com suas monoculturas para
exportação e a mineração, o que provoca a destruição das áreas de recargas de águas
da Bacia. A Caatinga está sendo retirada para dar lugar à fruticultura e à cana-de-açúcar
irrigada. Este desmonte da cobertura vegetal natural provoca o entulhamento do rio e,
neste cenário de devastação e exploração das águas do Velho Chico, espalham-se
diversos conflitos por terra e águas dos povos tradicionais que resistem em luta. Ao
analisar a iminente morte do São Francisco, pesquisadores/as apontam que a solução é
paulatina e se dará a médio e a longo prazos, com o processo de desconstrução das
barragens instaladas ao longo do curso do rio. Mas, para que o manancial volte ao seu
leito natural, é necessária muita vontade política.
A agenda em pauta é a disputa de projetos e as sociedades brasileira e internacional
precisam se posicionar! Vivenciamos a disputa injusta entre o projeto do lucro que a
qualquer custo prioriza a acumulação de riqueza por meio do saque dos bens naturais
públicos e da concentração e o projeto do Bem Viver que tem na sua gênese o equilíbrio
nas relações entre humanos e natureza. Neste âmbito, a ASA Brasil se manifesta
denunciando o projeto que provoca o assassinato paulatino da Bacia do Rio São
Francisco e se posiciona firmemente na defesa e na construção do projeto de vida da
Bacia, tendo como base o paradigma da Convivência com os biomas que a compõem.
Semiárido Brasileiro, 20 de novembro de 2017
Coordenação Executiva da ASA Brasil


Próxima página »